Itaú monitora conversas dos bancários através do sistema interno de comunicação

Contra redução de direitos, trabalhadores paralisam serviços do Centro Tecnológico do Itaú em Mogi Mirim
2 de fevereiro de 2018
Carnaval, festa popular e palco de manifestações
15 de fevereiro de 2018
Mostrar tudo

Itaú monitora conversas dos bancários através do sistema interno de comunicação

Muita atenção!
Todo cuidado é pouco ao utilizar o MOC, sistema interno de comunicação do Itaú semelhante ao Google Hangouts ou Messenger. O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região apurou demissões de funcionários causadas por trocas indevidas de mensagens. É importante reforçar que o banco monitora todos os diálogos via MOC e também o e-mail, e os utiliza como provas documentais para justificar demissões por justa causa.
O Itaú possui um sistema de avaliação comportamental chamado Eixo X Eixo Y. Nele, os subordinados classificam o comportamento dos gestores e vice-versa. Os funcionários também se avaliam entre si. Alguns trabalhadores trocaram mensagens via MOC combinando avaliações. O banco monitorou esses diálogos, considerou a atitude fraude e demitiu os envolvidos por justa causa.
Práticas que violam o código de ética do Itaú tampouco devem ser feitas em hipótese alguma. Se, por exemplo, o bancário faz uma venda casada e comunica via MOC que fez esse procedimento o banco utiliza o diálogo como prova para demitir por justa causa. Lembrando que venda casada é uma prática vedada pelo Código de Defesa do Consumidor e se converte em reclamação procedente no Banco Central.
“Agora, com a reforma trabalhista e com o avanço cada vez maior das tecnologias sobre as operações, o banco pretende enxugar cada vez mais o quadro de funcionários e está utilizando qualquer motivo para demitir. Além disso, os instrumentos de monitoramento estão cada vez mais aperfeiçoados, por isso, todo cuidado é pouco”, alerta o dirigente sindical e bancário do Itaú, Júlio César Silva Santos.
Por isso, fica o alerta: o MOC só deve ser utilizado para questões estritamente profissionais. Além disso, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região também orienta os bancários a tomarem muito cuidado com os conteúdos postados nas redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter ou qualquer outra, porque o banco também monitora constantemente os perfis dos seus funcionários.

Fonte:Redação Spbancarios